set 20, 2018

New Steel investe US$700 mi em beneficiamento de minério a seco

Brush Destaque

Por Marta Nogueira, da Reuters

Empresa, que surgiu em 2007, obteve patentes em 20 países, incluindo o Brasil, com o seu método de beneficiamento

Rio de Janeiro – Com uma tecnologia pioneira de beneficiamento de minério de ferro a seco, que dispensa a construção de barragens, a brasileira New Steel prevê investir 700 milhões de dólares em seus dois principais projetos, no Brasil e na América do Norte, em dois anos e meio, enquanto mira novos contratos globais.

Minério de ferro: método da New Steel pode transformar minérios de baixa qualidade em produtos com alto valor agregado (Beawiharta/Reuters)

 

A empresa, que surgiu em 2007, obteve patentes em 20 países, incluindo o Brasil, com o seu método de beneficiamento, e está bem posicionada para lidar com um mercado que cada vez mais teme a construção de novas barragens de mineração, afirmou à Reuters o presidente da New Steel, Gustavo Emina.

O método da companhia, que pode transformar minérios de baixa qualidade em produtos com alto valor agregado, também funciona para processar rejeitos da exploração mineral com baixo teor de ferro e sem valor comercial e transformá-los em um produto economicamente viável, com altos índices de ferro e baixos contaminantes.

“A mineração sempre foi uma atividade não muito amiga do meio ambiente… Nosso objetivo é muito mais recuperar passivo ambiental”, disse Emina, em uma entrevista por telefone.

Segundo o executivo, o resíduo do beneficiamento da New Steel, controlada pela Lorentzen Empreendimentos, é apenas uma areia com menos de 5 por cento de ferro, que pode ser utilizada para outros fins, como no mercado de construção civil.

Atualmente, o principal modelo de negócio da New Steel consiste na instalação e operação de plantas industriais de processamento de minérios, em áreas da empresa ou de terceiros, compartilhando os resultados obtidos.

Em seu projeto em estágio mais avançado até o momento, a New Steel vai operar uma planta piloto de beneficiamento dos rejeitos da mina de Fábrica, da mineradora brasileira Vale, em Ouro Preto, Minas Gerais.

A New Steel obteve no fim do ano passado uma licença de instalação para a atividade, e a previsão é de que o projeto entre em operação no primeiro trimestre de 2020, com capacidade anual de produção de aproximadamente 1,2 milhão de toneladas de minério de ferro, por 10 anos, segundo o documento de licenciamento.

Por motivos contratuais, Emina evitou dar mais detalhes sobre o contrato com a Vale, maior produtora global de minério de ferro.

Já um segundo projeto da empresa, na América do Norte, deverá ser anunciado nas próximas semanas. Emina disse que o negócio envolve uma das maiores siderúrgicas dos Estados Unidos e adiantou apenas que o escopo será ainda maior do que o empreendimento brasileiro, envolvendo beneficiamento e pelotização.

 

Novos contratos

A New Steel também está em tratativas avançadas para eliminar passivos ambientais de grandes mineradoras no quadrilátero ferrífero, região no centro-sul de Minas Gerais, contribuindo para o desenvolvimento da indústria de mineração, disse Emina à Reuters, sem entrar em detalhes.

 

“Hoje licenciar novas barragens é um problema, altear também é um problema, então, se a gente conseguir recuperar essas barragens, a gente aumenta a vida útil da mina”, disse.

 

Mas o foco da empresa não está só no Brasil. Nesta semana, a companhia alterou a sua sede para a Holanda, em busca de sua internacionalização. Nos próximos cinco anos, Emina afirmou que a empresa poderá abrir capital no exterior.

Em meio a essa estratégia, a empresa também avalia outros contratos fora do Brasil.

Segundo o executivo, levou algum tempo para que a New Steel ganhasse a confiança de grandes empresas: “O mercado (de mineração) é muito resistente a mudanças, demorou alguns anos para convencer as grandes mineradores que o processo era extremamente eficiente e competitivo”, afirmou.

Os testes com a nova tecnologia começaram a ser realizados em 2010, com a operação da primeira planta experimental de beneficiamento a seco da New Steel, em Minas Gerais.

Desde então, a empresa não parou de buscar aprimoramentos tecnológicos.

Em outra frente, a empresa vai investir 20 milhões de reais para a ampliação de seu Centro Tecnológico de Soluções Sustentáveis (CTSS), destinado ao desenvolvimento científico e tecnológico de produtos e serviços sustentáveis nas áreas mineral, metalúrgica, mecânica e de resíduos sólidos.

Segundo Emina, o CTSS, localizado no polo industrial de Xerém, no município de Duque de Caxias (RJ), tem atualmente 10 mil metros quadrados e irá agregar outros 15 mil.

A expansão também permitirá elevar a capacidade de produção de determinados equipamentos que são desenvolvidos no local.

Fonte: Reuters

tire todas as suas dúvidas de forma ágil

Imagem de destaque do CTA

Conte com nosso Fale Conosco para resolver questões não solucionadas

entre em contato
Imagem de destaque do CTA
Brush Footer Mobile