set 20, 2018

Caso de sucesso de patente verde é debatido no Museu do Amanhã

Brush Destaque
Gisele Almeida apresenta o programa

Como conciliar o desenvolvimento tecnológico e as questões socioambientais? Para contribuir com soluções nessa área, o INPI tem o programa Patentes Verdes, que foi tema de talk show no Museu do Amanhã no dia 16 de janeiro. Gisele Almeida, pesquisadora do INPI e doutora em Gestão da Qualidade em Ciência e Tecnologia de Alimentos, explicou que o programa realiza o exame prioritário de pedidos de patentes relativas a tecnologias que reduzam impactos ambientais.

Segundo ela, a iniciativa do INPI beneficia a sociedade, pois reduz o tempo para disponibilização de novas tecnologias verdes no mercado. Também beneficia o inventor, que, ao obter rapidamente a carta-patente, tem maior segurança jurídica nas negociações de licenciamento. Ao mesmo tempo, instiga os concorrentes a investirem em pesquisa e inovação para alcançar vantagens competitivas, gerando o avanço tecnológico sustentável.

As principais tecnologias depositadas desde a criação do programa em 2011 até fevereiro de 2017 são de gerenciamento de resíduos (51,3%), energias alternativas (28%) e agricultura (10,2%).

Oferecendo uma visão empresarial sobre as vantagens de se obter uma patente verde, Newton Souza, diretor jurídico, de Meio Ambiente, Gente e Suprimentos da New Steel, detalhou a tecnologia desenvolvida pela empresa para tratamento e beneficiamento de minério e rejeitos de ferro com grande economia de água e menos geração de resíduos.

O executivo afirmou que a obtenção da patente verde deu visibilidade para a companhia, que conseguiu ganhar um prêmio setorial pela sua inovação. Segundo Souza, o pedido de patente foi feito em vários países e o Brasil foi o primeiro país a conceder o título, graças ao Patentes Verdes. Nos Estados Unidos, a patente foi concedida um mês depois. Ao todo, a empresa obteve proteção para a tecnologia em 12 países.

 

“O INPI saiu na frente e com certeza é exemplo para outros escritórios de propriedade industrial no mundo” – opinou Newton Souza.

 

A professora Elba Bon, do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), moderou o debate e apresentou as pesquisas desenvolvidas nas áreas de energia limpa e de biomassa. A UFRJ, junto com a Universidade Federal de Santa Catarina, conseguiram uma patente verde para o processo de produção de moléculas orgânicas a partir da biomassa.

Fonte: Instituto Nacional da Propriedade Industrial

tire todas as suas dúvidas de forma ágil

Imagem de destaque do CTA

Conte com nosso Fale Conosco para resolver questões não solucionadas

entre em contato
Imagem de destaque do CTA
Brush Footer Mobile